Captura, estocagem e transporte de caranguejo vivo com baixos índices de desperdícios

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

imagem

Foto: RIBEIRO, Maria Eugênia

A pesca do Caranguejo-uçá gera emprego e renda para milhares de famílias de comunidades ribeirinhas no Delta do Parnaíba. A captura declinou nos últimos anos devido à sobrepesca e ao descarte de até 55% da captura total em função de métodos inapropriados de captura, estocagem e transporte. A Embrapa desenvolveu uma metodologia que reduz essas taxas de perdas para valores em torno de 5%. Os caranguejos devem ser capturados manualmente e acondicionados soltos dentro de caixas plásticas com espuma, emborrachado ou tecido embebido em água no fundo, entre e sobre os animais. Os animais podem ser estocados por até 48 h antes da entrega ao consumidor e devem ser transportados dentro das próprias caixas. Após o descarregamento todo o material deve ser higienizado.

Os caranguejos (Caranguejo-uçá, Ucides cordatus) são capturados manualmente e, pelo método tradicional, eram amarrados em cordas de quatro unidades. As cordas, por sua vez, eram amarradas umas às outras, formando um ‘amarrado’ de 10 cordas. Essas “cordas de caranguejos” eram transportadas em canoas ou barcos e posteriormente, amontoadas nos caminhões até seu destino final.

Quando em transporte aquaviário, os caranguejos podem ser acondicionados em caixas plásticas vazadas, sacos, paneiros, ou acomodações que garantam a sobrevivência dos espécimes.

Quem ganha com isso

Catadores, atravessadores, transportadores, comerciantes e consumidores do Caranguejo-uçá (Ucides cordatus) e toda a comunidade ribeirinha e cadeia produtiva do caranguejo-uçá no Piauí, Maranhão, Ceará e Pará.

Abrangência geográfica

Piauí e Maranhão (Delta do Rio Parnaíba), Ceará e Pará.

Benefícios econômicos, sociais e ambientais

Redução do desperdício para cerca de 5% do total (para calcular os benefícios econômicos, calculamos o valor dos caranguejos que deixaram de ser desperdiçados desde 2009 até 2015, chegando a um valor total de R$9,7 milhões);

Melhoria do preço ao catador: com a redução de desperdício, o catador obteve um ligeiro aumento na sua renda, pela melhor qualidade do caranguejo coletado, e pelo menor tempo gasto na pesca, pois para a mesma quantidade entregue, pesca menos. No entanto, esse ganho não foi considerado para efeito de retorno econômico;

Melhoria da sustentabilidade da atividade: a redução de desperdício em até 50% diminuiu significativamente a sobrepesca do crustáceo possibilitando melhor condição para continuidade da atividade e garantia de emprego e renda, mas somente essa solução tecnológica não garante a sustentabilidade da atividade;

A metodologia resultou em uma política pública: IN nº 9, 2 de julho 2013, válida para a região de abrangência.

Parceiros

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Associação de Catadores Delta-uçá (PI), Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Universidade Federal do Piauí (UFPI), Beach Park (CE), Secretaria de Estado de Pesca e Aquicultura (SEPAq-PA). Financiadores: Global Environmental Foundation (GEF), CNPq, Banco do Nordeste/FUNDECI, Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA).

Metodologia: Metodologia Ano de Lançamento: 2006

Onde Encontrar:
Embrapa Meio-Norte
UEP de Parnaíba
BR 343, km 35, Zona Rural, Cx. Postal 341, CEP 64200-970 - Parnaíba - PI
Tel/Fax:(86) 3315-1200 - 3215-1202 - http://www.embrapa.br/meio-norte
E-mail:cpamn.ctuep@embrapa.br
SAC: https//:http://www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Galeria de imagens