Pular para o conteúdo

A importância da cajucultura no semiárido piauiense

A cajucultura é de grande importância no semiárido piauiense, possuindo uma área em torno de 13.000 ha plantada com caju dos quais 90% é de cajueiro comum. A expansão da cultura do cajueiro anão-precoce é de grande importância por apresentar ciclo curto e maior produtividade de castanha.  A comercialização da castanha e o aproveitamento do pedúnculo do caju na produção de suco, polpas, doces, cajuína provoca um aumento na rentabilidade dos produtores da região. 

O beneficiamento da castanha para comercialização da amêndoa atualmente vem contribuindo com uma expressiva participação na pauta de exportação do Estado, agregando valor para a matéria-prima, gerando emprego no período da entressafra das culturas de subsistência. O bagaço de caju devidamente processado pode ser utilizado tanto na produção de rapaduras, quanto na ração animal. A cultura do cajueiro é também uma alternativa de pasto apícola no período seco da região.

 

O cultivo de outras culturas consorciadas com o cajueiro se justifica pelos altos custos de implantação, os espaços livres e o longo período de tempo até que a produção esteja estabilizada. O sistema de produção de cajueiro anão-precoce, girassol e gergelim orgânicos e em consórcio com outras culturas alimentares de boa qualidade como milho, feijão-caupi e forrageira para alimentação animal, desenvolvido nas comunidades com a participação de parceiros e agricultores, oferece um incremento da renda da região. O policultivo é uma prática importante para manutenção de um mínimo de diversidade vegetal na agricultura local, além de promover a diversidade de alimentos e de forragens e estabilidade das safras, minimizando riscos.

 

O girassol sempre foi considerado como uma cultura de clima temperado, mas, levando em consideração o melhoramento genético realizado nos últimos anos para sua adaptação a diferentes regiões agroclimáticas mais quentes, e com maior irradiação solar, tem-se verificado a expansão dessa cultura.

Devido às suas excelentes qualidades organolépticas, o girassol é muito apreciado para consumo na forma de sementes torradas e seu óleo bruto é apreciado para saladas, sendo altamente nutritivo devido ao seu alto teor de ácido linoleico, que é essencial a saúde. O girassol pode ser utilizado para a alimentação animal em forma de grãos, farelo e silagem, produzindo em média 72 toneladas de matéria verde por hectare. Por outro lado, constitui-se em um bom ambiente para as abelhas, pois durante o período de florescimento proporciona um incremento na produção de mel.

A cultura do gergelim orgânico tem sido considerada satisfatória na região semiárida por ser tolerante à seca, sendo sua produção proveniente de pequenos e médios agricultores, exercendo, portanto, uma apreciável função social, capaz de melhorar a situação socioeconômica dos agricultores familiares do semiárido piauiense. As sementes constituem a parte comestível e comercializável do gergelim e são consumidas no estado natural.

O gergelim é considerado uma excelente fonte de óleo rico em ácidos graxos insaturados, que são benéficos à saúde. A torta resultante da extração do óleo de gergelim pode ser utilizada na elaboração de produtos alimentícios, como cookies, pães e bolos.