Publicações

Resposta diferencial de cultivares de sorgo forrageiro para tolerância ao alumínio.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Autoria: MENEZES, C. B. de; GAVA, E.; FARIA, M. V.; RODRIGUES, J. A. S.; MINGOTE JÚNIOR, M. P.; SANTOS, C. V. dos; SCHAFFERT, R. E.

Resumo: A toxidez de alumínio é um dos principais fatores limitantes à produção de grãos e forragem em solos ácidos, os quais compreendem grandes áreas em regiões tropicais e subtropicais. A cultura do sorgo apresenta grande variabilidade para esta característica, havendo no mercado híbridos de sorgo granífero tolerantes ao alumínio. O presente estudo objetivou avaliar a resposta diferencial de um conjunto de cultivares de sorgo forrageiro, buscando entender o efeito do alumínio no crescimento radicular e selecionar cultivares tolerantes para cultivo em áreas afetadas por este estresse abiótico. Foram avaliados quatro híbridos comerciais, vinte híbridos experimentais, quatro variedades, e duas testemunhas, totalizando 32 tratamentos. Os tratamentos foram submetidos a duas concentrações de alumínio (Al) em solução nutritiva, 0 e 27 uM de atividade de Al3+. Foi utilizado o delineamento em blocos ao acaso em fatorial simples, com três repetições. Foram avaliadas as características Crescimento Líquido de Raiz e Crescimento Relativo de Raiz Seminal. Houve diferenças significativas dos efeitos de genótipos, ambientes e da interação genótipos x ambientes, mostrando uma resposta diferencial das cultivares. O estresse de alumínio reduziu o crescimento radicular em aproximadamente 54%, indicando a necessidade da seleção de cultivares mais tolerantes, para atingir o potencial de rendimento de massa verde da cultura. Todas as cultivares apresentaram médias de crescimento menores no ambiente com alta saturação de alumínio em relação ao ambiente sem alumínio, exceto pela testemunha tolerante BRS 373 e o híbrido experimental CMSXS 222x1141570. Os híbridos comerciais BRS 610 e BRS 655, os híbridos experimentais BR007x1141570 e CMSXS157x1141570, e as variedades experimentais 1141562, 1141572 e 1140562 mostraram-se tolerantes ao alumínio, com redução mínima no crescimento de raiz.

Ano de publicação: 2016

Tipo de publicação: Folhetos