Gerenciamento de Resíduos em Geral

No final de 2011, foi elaborado o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Unidade, como uma das exigências da Superintendência Regional de Regularização Ambiental (SUPRAM Central Metropolitana) para o licenciamento ambiental. Esse documento encontra-se em fase de revisão e implementação.
 
Em linhas gerais, os resíduos comuns, recicláveis e não recicláveis, são encaminhados para a Usina de Triagem e Compostagem de Prudente de Morais e para a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sete Lagoas. Foi construído, próximo ao Prédio Principal, o GERESOL, prédio para armazenamento temporário de resíduos recicláveis (papel, plástico, vidro, metal), orgânicos e não recicláveis.
 
Outros resíduos que demandam maior atenção em função do risco para o meio ambiente e para a saúde dos empregados são as lâmpadas fluorescentes contendo mercúrio em sua composição, que são encaminhadas para empresa especializada em descontaminação; as baterias usadas de veículos contendo chumbo, que são trocadas por baterias novas, garantindo a devolução desses materiais ao fabricante, que é responsável por sua reciclagem; e o óleo lubrificante usado nos veículos, que é recolhido em tambores próximos ao local de troca e, ao atingir determinado volume, é recolhido por empresa especializada no transporte e reciclagem desse material.
 
As áreas de abastecimento de combustíveis e de lavação de veículos receberam ampla reforma, adequando-se à legislação ambiental e garantindo que efluentes contendo resíduos de óleo recebam separação prévia antes de serem lançados no solo ou no curso d'água. O óleo separado dos efluentes é encaminhado para reciclagem, juntamente com o óleo lubrificante usado.
 
No que ser refere aos efluentes líquidos resultantes de esgotamento sanitário da Unidade, grande parte deles é recolhido por uma rede coletora e direcionado a uma Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) que, conforme análises físico-químicas realizadas, é capaz de eliminar cerca de 75% da matéria orgânica (DQO), garantindo a conformidade de quase todos os parâmetros exigidos por lei para lançamento em cursos d'água (DBO, DQO, Sólidos Sedimentáveis, Sólidos Totais em Suspensão, Óleos e Graxas). A única exceção ocorreu no parâmetro "Surfactantes Aniônicos", problema que deverá solucionado pela racionalização do uso de detergentes na Unidade.
 
Nas edificações que, pela distância, faz-se inviável sua ligação à rede coletora da ETE (guaritas, residências funcionais e outras), foram instaladas 25 fossas sépticas, eliminando o mesmo número de fossas negras que funcionavam nesses locais.