Notícias

05/07/16 |   Gestão Estratégica  Gestão ambiental e territorial

Ministro da Agricultura destaca dados da Embrapa na abertura do GAF 2016

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Foto: Alan R. dos Santos

Alan R. dos Santos - Ministro Blairo Maggi na abertura da 3ª edição do Global Agribusiness Forum (GAF).

Ministro Blairo Maggi na abertura da 3ª edição do Global Agribusiness Forum (GAF).

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, chamou a atenção para dados da ocupação das terras no Brasil, elaborados pela Embrapa, na abertura da 3ª edição do Global Agribusiness Forum (GAF), realizado nesta segunda-feira, 4, em São Paulo (SP). Em sua exposição sobre a conjuntura da agricultura brasileira, Maggi falou sobre a agropecuária nacional e destacou um gráfico produzido pela Embrapa Monitoramento por Satélite (Campinas, SP) sobre o uso e ocupação das terras no Brasil. O gráfico mostra que 61% do território brasileiro está preservado e com vegetação nativa, enquanto que apenas 8% do território nacional é ocupado com cultivos de produção de alimentos, energia e florestas plantadas.

O Global Agribusiness Forum é um encontro internacional que reúne os maiores expoentes do agronegócio. Neste ano, o evento trouxe o tema "Agropecuária do amanhã: fazer mais, com menos (Disseminando as bases do desenvolvimento sustentável)".

Para Maggi, o gráfico pode ser entendido como um verdadeiro "green card" do Brasil a ser apresentado por todos já que não existe no mundo país com tal desempenho de preservação e proteção ambiental. A ocupação das terras indígenas, por exemplo – apontou o ministro - abrange 13% do território brasileiro, valor superior àquele destinado à agricultura. Confira os dados no gráfico.

O levantamento da Embrapa ressaltado pelo ministro para o presidente em exercício, Michel Temer – também presente à abertura do evento – mostra a importância da emancipação dos assentamentos agrários com mais de 10 anos de criação beneficiária para ampliar a produção agrícola. Eles indicam que, na titulação destas terras, os assentados teriam acesso ao crédito e poderiam contratar a integração produtiva com diversas empresas. Isso traria de volta à produção cerca de 47 milhões de hectares de terras, além de impulsionar arranjos produtivos locais, economias regionais e cadeias associadas.

O ministro apresentou ainda dados da Embrapa sobre o número de famílias, área e assentamentos com mais de 10 anos de criação. Maggi elogiou a qualidade das informações territoriais existentes na Embrapa e complementou afirmando que elas deverão apoiar diversas iniciativas de sua gestão.

Para Evaristo de Miranda, chefe-geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, as infomações são provenientes do uso da inteligência territorial como ferramenta estratégica na tomada de decisão. A Unidade vem apoiando o ministério em importantes projetos, como a Macrologística da Agropecuária Brasileira, que visa mapear todas as áreas de produção, a rede de armazenagem e de escoamento das cargas aos portos por onde saem as exportações brasileiras. 

Miranda foi o moderador do último painel realizado no dia, intitulado "O Desafio da Produção Sustentável", que contou com a presença de João Paulo Ribeiro Capobianco, presidente do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) no Brasil; de Ignacio Lopez, Professor do Institute of Agriculture and Environment da Massey University (Nova Zelândia), de Jason Clay, vice-presidente sênior de Mercados e Alimentação da World Wildlife Fund (WWF) (EUA) e de Julius Schaaf, ex-presidente da United States Grains Council e Maizall (USGC) (EUA).

Na programação dessa terça-feira (05), o pesquisador da Embrapa Geraldo Martha Junior, coordenador do Labex Estados Unidos, participa do painel "Produção sustentável de proteína animal". Já no encerramento do evento, com previsão de início às 17h40, o painel "Projeções globais para a agricultura: visão até 2050" terá palestras do presidente da Embrapa Maurício Lopes e de Warren Preston, economista-chefe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O GAF16 tem transmissão ao vivo pelo Canal Rural e também pode ser acompanhado via internet pelo link http://www.globalagribusinessforum.com/pt-br/transmissao-online.

Alan R. dos Santos (MTb 2625 / CE)
Embrapa Monitoramento por Satélite

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/