Boletim - Serra Gaúcha

Voltar

Boletim Informativo: Sistema de Alerta Mosca-das-Frutas Serra Gaúcha 57

29 de outubro de 2019 - Edição 57

Na semana de 21 a 28 de outubro foram capturadas  sete moscas-das-frutas nas armadilhas instaladas na rede de monitoramento na Serra Gaúcha sendo três em Cotiporã, uma em Farroupilha, duas em Nova Pádua e uma em Bento Gonçalves. Nessa safra, a captura de moscas tem sido constante, embora em baixa população. Por isso, com a colheita das cultivares precoces, agora a atenção deve ser dada às cultivares de ciclo médio, que se aproximam da colheita.

Os produtores devem continuar o uso das iscas tóxicas e, nas cultivares de ciclo médio, nas quais inicia a fase de maior suscetibilidade à praga, programar aplicações em cobertura. Lembre também de manter o monitoramento, principalmente a presença de larvas de mosca nos frutos de plantas hospedeiras (ex: cítricos, nêsperas, etc.) que estão frutificando nesse período. É importante eliminar os frutos caídos no solo e aplicar iscas tóxicas nas plantas.

Outra prática essencial é evitar deixar frutos nas plantas das cultivares já colhidas!

A região de Cotiporã é a que tem apresentado o índice mais frequente de insetos nas armadilhas, por isso, maior atenção deve ser dada à presença da mosca nos pomares localizados nessa região.

Controle da Mosca:

Caso os produtores necessitem fazer aplicações de cobertura, principalmente nas cultivares que estão iniciando a fase mais suscetível, o recomendado é utilizar inseticidas registrados para a cultura e que possuem efeito sobre a mosca e a grafolita.  (Tabela 1).

Ingrediente ativo Produto Comercial Carência (dias)
Acetamiprido + Etofemprox Eleito 3
Fosmet Imidan 7

 

Inseticidas como o malathion devem ser empregados prioritariamente como agentes letais em iscas tóxicas.

Evite utilizar inseticidas piretróides, pois a aplicação desse grupo químico irá aumentar a população de ácaros e cochonilhas nos pomares.

Dica da semana:

Bacteriose do pessegueiro requer atenção nessa época!

(Colaboração dos pesquisadores Bernardo Ueno, da Embrapa Clima Temperado e Lucas Garrido, da Embrapa Uva e Vinho)

O aumento de temperatura e ocorrência de períodos contínuos de chuvas favorece a ocorrência de bacteriose em pessegueiros, causando danos em folhas e frutos, principalmente em pomares sem a proteção de quebra-vento, com plantas menos vigorosas e localizadas em solo de baixa fertilidade. O ataque da bactéria resulta em manchas, furos e queda prematura de folhas e pequenos cancros em frutos. O uso de barreiras físicas (quebra-vento) é recomendado para diminuir a disseminação da bactéria, sendo considerado o método mais eficiente no manejo da doença. Para essa época, em locais onde a ocorrência da bacteriose é frequente, a aplicação de fungicidas como a ditianona (Delan) e desinfestantes, como o hipoclorito de cálcio, é fundamental. É importante não misturar os desinfestantes com outros produtos fitossanitários pois pode ocorrer fitotoxicidade.

O uso de cobre para essa época pode até ser feita, mas só em doses baixas, pois também há o risco de ocorrer fitotoxicidade. Portanto, nesse caso é importante fazer um teste prévio de dose antes da aplicação no pomar, pois cada cultivar apresenta uma sensibilidade diferente ao cobre.

Atenção:

Em alguns pomares, tem sido relatada a queda de folhas de pessegueiro. Muitos acham ser sintoma da bacteriose, mas em vários casos a queda das folhas é resultado da combinação entre a mistura de produtos na calda de pulverização e plantas mais debilitadas (fracas), além da bacteriose. Observe: a queda de folhas por bacteriose é mais gradativa e não repentina com a que está ocorrendo.

Sintomas iniciais de bacteriose: manchas angulares com aspecto esbranquiçado, que progridem para encharcamento (visualizado melhor quando a umidade é alta).

Sintomas de bacteriose em folhas de pessegueiro. Foto: Bernardo Ueno

Mais informações e orientações, procure o Escritório da Emater de seu município ou entre em contato com a Embrapa

Confira abaixo o Programa Difusora Agricultura sobre esse Boletim.

 

 

O Boletim Informativo Eletrônico do Sistema de Alerta Mosca-das-frutas Serra Gaúcha é uma publicação semanal sobre os resultados da Rede de Monitoramento da Serra Gaúcha, que cobre os municípios de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Cotiporã, Farroupilha, Nova Pádua, Pinto Bandeira, São Marcos e Veranópolis. Responsabilidade Técnica: Marcos Botton. Redação: Rodrigo Monteiro e Viviane Zanella

Realização: Apoio:    
Logo EmaterLogo Embrapa