Projetos

Tecnologias para o desenvolvimento e validação de novos fertilizantes e fontes de nutrientes para a agricultura brasileira - Rede FertBrasil Fase II

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

O projeto tratará do avanço do conhecimento em bases tecnológicas em fertilizantes como estratégia para a geração de tecnologias e produtos com potencial de inovação e alavancar a indústria nacional de fertilizantes, aumentando a eficiência e minimizando o impacto ambiental negativo dos fertilizantes. Um cenário de baixa disponibilidade de matérias-primas e alta de preços pode comprometer seriamente, e até inviabilizar, alguns setores da agropecuária nacional. O prejuízo para o país seria grande, uma vez que o agronegócio foi responsável por 30% do PIB brasileiro na última década. Atualmente, os fertilizantes podem representar, em média de 25 a 40 % do custo variável dos principais sistemas de produção agrícolas brasileiros e são responsáveis entre 30 e 50% do potencial de produção agrícola. Além disso, grandes quantidades de nutrientes aplicados via fertilizantes são perdidas, pois a eficiência do uso desses insumos ainda é baixa: entre 50 a 70% para o nitrogênio, de 15 a 30% para fósforo e de 50 a 70% para o potássio. Por isso, o desenvolvimento de fontes de fertilizantes utilizando matérias-primas disponíveis no país e que apresentem alta eficiência pode representar uma grande contribuição ao setor. Esse processo resultará em novos fertilizantes e nutrientes, validados pela rede nacional de experimentos agronômicos, que consolidará métodos e protocolos robustos para que a indústria e o agronegócio brasileiro se apropriem adequadamente das tecnologias e produtos. Estudos de mitigação de emissões de gases de efeito estufa, e outros impactos negativos que o uso de fertilizantes pode causar no ambiente, terão seus resultados compilados em análises de ciclo de vida, o que ajudará o País a consolidar o plano ABC – Programa para Redução da Emissão de Gases na Agricultura, contribuindo para cumprir metas mundiais de redução de GEEs no convenção de Copenhague, em 2009, bem como ajudar a melhorar ainda mais a imagem da agricultura brasileira no Brasil e no exterior.

Galeria de imagens