Publicações

Produtividade de soja e milho em resposta a fertilizantes mineral e organominerais sólido e fluido.

Informe múltiplos e-mails separados por vírgula.

Autoria: NUNES, W. A. G. de A.; CORREA, J. C.

Resumo: Os dejetos de suínos, após a biodigestão, apresentam-se em forma fluida e diluída, encarecendo o transporte até o local de uso, caso não seja possível utilizá-lo na propriedade geradora. Uma forma de viabilizar o uso dos dejetos líquidos de suínos é enriquecê-los com fontes minerais de N, P e K, viabilizando seu transporte até os usuários finais. Este trabalho objetivou avaliar o efeito de fertilizantes organominerais sólido e fluido na produtividade de soja e milho, nas condições edafoclimáticas de Dourados-MS. O experimento foi conduzido no Campo Experimental da Embrapa Agropecuária Oeste, utilizando delineamento em blocos casualizados, com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por três diferentes fertilizantes, sendo um organomineral na forma sólida (elaborado a partir de cama de aviário), outro na forma fluída (elaborado a partir de dejetos de suínos processados em biodigestor) e outro mineral, todos compostos na formulação 02-10-06. Foram aplicados 4 níveis de doses crescentes, que corresponderam a 0, 750, 1000 e 1250 kg ou L ha-1 de cada formulação, sempre no sulco de plantio. Nas safras de primavera-verão plantou-se soja e nas safras de outono-inverno foi cultivado o milho safrinha. O experimento sofreu com adversidades climáticas, o que causou perdas expressivas em colheitas de safra e safrinha, ocorrendo grandes variações nos rendimentos obtidos nos diferentes anos. As produtividades de milho e soja foram semelhantes quando essas culturas foram fertilizadas com fertilizantes organominerais líquidos ou sólidos. O fertilizante mineral proporcionou resposta inferior às formas organominerais em safras com restrição hídrica.

Ano de publicação: 2015

Tipo de publicação: Parte de livro