1. Elaborar, coordenar, acompanhar e avaliar a execução da política de cooperação internacional da Embrapa;
  2. Coordenar e promover ações de articulação e de cooperação com entidades e instituições internacionais e estrangeiras, privadas e governamentais, ligadas aos setores produtivos agropecuários e de ciência e tecnologia;
  3. Avaliar e apoiar as ações de cooperação internacional desenvolvidas pelas Unidades Centrais (UCs) e Descentralizadas (UDs), de forma a garantir o alinhamento às diretrizes internacionais da Embrapa e à política externa do governo brasileiro;
  4. Negociar, elaborar e avaliar os contratos de empréstimo, financiamentos e doações concedidos por agentes internacionais, além de gerenciar a execução desses instrumentos; quando for o caso;
  5. Gerenciar os laboratórios e projetos executados no exterior, bem como unidades no exterior, em parceria com as UCs e UDs envolvidas;
  6. Apoiar a Secretaria de Negócios – SNE no cumprimento das ações dos negócios tecnológicos;
  7. Apoiar o Ministério das Relações Exteriores – MRE na construção técnica de posições brasileiras a serem defendidas em fóruns internacionais da ONU e outros que tenham impacto na agricultura;
  8. Apoiar a Diretoria-Executiva na construção de políticas públicas que decorram da interação da Embrapa com organismos internacionais de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – PD&I ou grupos internacionais especiais;
  9. Apoiar os procedimentos para trânsito internacional de germoplasma e outros ativos;
  10. Apoiar ações com o sistema multilateral, como centros do CGIAR, FAO, IICA e outros;
  11. Apoiar a elaboração de normas que afetem a atuação internacional conjuntamente com as UCs responsáveis.

  1. Propor, promover, encaminhar e catalisar, em cooperação com o Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento – DPD, parcerias científicas e tecnológicas internacionais, bilaterais e multilaterais, com articulação na elaboração de programas de pesquisa de interesse comum entre a Embrapa e instituições parceiras;
  2. Promover o alinhamento de novos projetos de cooperação internacional com os interesses estratégicos da Embrapa, por meio de articulações científicas com governos, instituições e organismos nacionais e internacionais, com os centros do sistema CGIAR e com os programas regionais;
  3. Desenvolver, orientar, acompanhar e auxiliar o programa Labex como instrumento para parcerias internacionais com foco em pesquisa de excelência e tecnologia junto às UDs e UCs e para a antecipação de fatos e tendências da ciência conforme interesses e demandas estratégicos da Embrapa, auxiliando, assim, seu sistema de inteligência institucional; e
  4. Desenvolver e fortalecer a comunicação entre a SRI, o Labex, as UDs e UCs e seus parceiros estrangeiros, na viabilização de novos projetos internacionais.

  1. Articular a elaboração de projetos de cooperação técnica, estruturantes ou não, com financiamento da Agência Brasileira de Cooperação - ABC ou de agências bilaterais e multilaterais;
  2. Articular com as UCs e UDs e com organismos nacionais e internacionais a implementação de ações, programas e projetos de cooperação técnica internacional;
  3. Gerenciar a execução de projetos de cooperação técnica internacional;
  4. Desenvolver atividades de prospecção de oportunidades de captação de recursos financeiros junto a governos, instituições e organismos financiadores internacionais, objetivando o desenvolvimento de ações, programas e projetos de interesse da Embrapa;
  5. Coordenar a elaboração e gerenciar a execução de projetos de investimento com financiamento ou doação de agentes internacionais;
  6. Gerenciar a execução de projetos de investimento com financiamento de organismos bilaterais e multilaterais;
  7. Organizar e administrar as visitas técnicas internacionais à Sede e às Unidades Descentralizadas, e
  8. Apoiar a Secretaria de Comunicação – Secom na organização de visitas internacionais protocolares.

  1. Acompanhar e gerenciar as posições institucionais; em consulta com os gestores do Sistema de Inteligência Estratégica e de portfólios específicos da Embrapa, com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA e outros Ministérios, sob a coordenação do Ministério das Relações Exteriores – MRE, em relação às agendas de trabalho das convenções, acordos, protocolos e instrumentos sob a égide das Nações Unidas, além de outras instâncias internacionais que tenham impacto na agricultura;
  2. Assessorar as instâncias decisórias da Embrapa sobre as políticas públicas globais que tenham interface com o setor agrícola;
  3. Apoiar a formação de rede virtual constituída por pesquisadores das UCs e UDs, para compor as posições institucionais relacionadas aos diversos fóruns onde a Embrapa estiver presente; e
  4. Responder às demandas dos fóruns internacionais afetos à Embrapa.