Apresentação

 

Fachada Unidade

 

 

A Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju-SE), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, é uma das 47 Unidades Descentralizadas de Pesquisa da Embrapa. Criada em 1993 com sede em Aracaju, tem suas origens nas antigas Unidade de Execução de Pesquisa de Âmbito Estadual de Quissamã – UEPAE de Quissamã, criada em 1975, UEPAE de Aracaju, transferida para a capital em 1978, e Centro Nacional de Pesquisa de Coco – CNPCo, de 1985.

Além de sua sede, conta com uma Unidade de Execução de Pesquisa e Desenvolvimento (UEP) em Rio Largo, Alagoas, campos experimentais nos municípios de Frei Paulo, Nossa Senhora das Dores, Itaporanga d'Ajuda e Umbaúba, em Sergipe, e uma área experimental em Propriá, também em Sergipe, e outra em Penedo, Alagoas.

A Unidade tem como áreas de atuação a ecorregião dos Tabuleiros Costeiros – platôs de origem sedimentar que acompanham todo o litoral nordestino – e a Baixada Litorânea – a orla marítima, onde estão incluídas restingas, dunas e manguezais –, atingindo os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, em quase 10 milhões de hectares de área.

Com mais de 200 empregados atuando em sua sede, UEP, campos e áreas experimentais, a Embrapa Tabuleiros Costeiros é referência internacional em pesquisa agropecuária para a região.

Área de Atuação - A área de atuação da Embrapa Tabuleiros Costeiros atinge os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, e foi definida tomando-se por base as grandes unidades de paisagem Tabuleiros Costeiros e Baixada Litorânea, do "Zoneamento Agroecológico do Nordeste", realizado pela Embrapa.


Como áreas de atuação foram consideradas ainda paisagens do cristalino associadas ao Agreste e à Zona da Mata, onde historicamente a Unidade desenvolve ações de pesquisa. Essas paisagens são genericamente denominadas neste documento como "Áreas Adjacentes".

Caracterização - Os Tabuleiros Costeiros acompanham o litoral de todo o Nordeste, com altitude média de 50 a 100 metros. Compreende platôs de origem sedimentar, que apresentam grau de entalhamento variável, ora com vales estreitos e encostas abruptas, ora abertos com encostas suaves e fundo com amplas várzeas. De modo geral, os solos são profundos e de baixa fertilidade natural. Representam 85% da área de atuação deste Centro de Pesquisa da Embrapa, com uma área estimada de 8.420.000 hectares.

A Baixada Litorânea acompanha a orla marítima, onde estão incluídas restingas, dunas e mangues. Os solos são formados por sedimentos areno-quartzosos, caracterizados especialmente pela baixa fertilidade e capacidade de armazenamento de água. A área total estimada é de 1.423.000 hectares, representando cerca de 15% da área de atuação da Embrapa Tabuleiros Costeiros.

Tabuleiros Costeiros e Baixada Litorânea juntos apresentam precipitação anual média oscilando entre 500mm e 1500mm, com temperaturas anuais médias em torno de 26ºC, havendo pouca variação entre as médias do mês mais quente e do mês mais frio, podendo ser sub-divididos em quatro sub-regiões:

1.    Da divisa dos Estados da Bahia e Espírito Santo até a cidade de Valença, Bahia;
2.    Da cidade de Valença até a divisa dos Estados de Sergipe e Alagoas;
3.    Da divisa dos Estados de Sergipe e Alagoas até a cidade de Touros, Rio Grande do Norte
4.    Da cidade de Touros até a divisa dos Estados do Ceará e Piauí.

A sub-região 1 se caracteriza como a de maior precipitação média anual, girando em torno de 1.500 mm, com período de chuvas de novembro a julho. Os principais produtos cultivados são o cacau, café, olerícolas, plantios florestais e culturas de subsistência (feijão, mandioca e milho) além de uma pecuária extensiva à semi-intensiva com pastagens cultivadas. Ocorrem também alguns cultivos de frutíferas como mamão e outras de menor expressão.

Na sub-região 2 a precipitação média anual gira em torno de 1.200 mm distribuída nos meses de março a setembro. Os principais produtos cultivados são frutíferas, principalmente a laranja, feijão, mandioca, milho e fumo, além da cultura do coco, no litoral. É uma zona de agricultura bastante diversificada, com presença de pecuária, principalmente bovinocultura de corte.

Na sub-região 3 a precipitação média anual está em torno de 1.300 mm com período chuvoso de fevereiro a setembro. Há um predomínio marcante da cultura da cana-de-açúcar, apresentando também, de forma difusa, uma agricultura diversificada, com relativamente pequena expressão econômica, onde se encontram o coco, milho, feijão, mandioca e uma fruticultura diversificada.

Na sub-região 4 a atividade agrícola é limitada principalmente pela baixa precipitação média anual, de cerca de 900 mm, que ocorre entre os meses de janeiro e julho. Ocorrem as culturas do caju, coco, feijão, milho e mandioca, em geral num sistema de subsistência, com a integração de agricultura e pecuária.