Cultivares de Uva e Porta-Enxertos de Alta Sanidade

Voltar

Cultivar | Sultanina

Sultanina

Descrição:
É uma cultivar copa de Vitis vinifera

Origem:
Os trabalhos de seleção clonal iniciaram-se em 1900 na antiga região da Armênia (hoje Turquia). Clones foram selecionados a partir de uma série de porta-enxertos franceses denominados ‘Doucin Reinette' (conhecidos como o grupo Doucin), que remonta a 1688. A maior parte do material comercial existente hoje em dia procede da Califórnia (Estados unidos), responsável por seu amplo plantio a partir do ano de 1878, sob a denominação Thompson Seedless. A variedade Sultanina foi introduzida no Brasil na década de 70 na Bahia. A partir de vinhedos comerciais existentes na região do Vale do São Francisco, o material propagativo foi obtido, tendo sua introdução realizada na década de 80 em Telado do Laboratório da Virologia Vegetal. Posteriormente, a partir de estacas vegetativas, plantas foram formadas e submetidas ao tratamento térmico in vivo para remoção viral durante dois ciclos sequenciais de calor (totalizando 142 dias). Estas novas plantas, foram indexadas continuamente por métodos biológicos e moleculares para comprovação de sua sanidade em relação aos principais vírus que infectam a videira, especialmente: os vírus do complexo do enrolamento-da-folha; os vírus do complexo do intumescimento-dos-ramos; o vírus da degenerência-da-videira; o vírus da mancha-das-nervuras e o vírus da caneluras-do-tronco. Em 2012, o material de sanidade superior foi introduzido em Unidade de Validação de Termonúmeros, em Petrolina, Pernanbuco. Em 2014, depois de confirmada sua normalidade agronômica, identidade genética e sanidade viral; foi solicitada sua inserção no Registro Nacional de Cultivares/MAPA, tendo a Embrapa como uma de suas mantenedoras. Em 2015, ocorreu o primeiro edital de comercialização do material vegetal para constituição de jardins clonais em viveiristas licenciados pela Embrapa

Principais Características:
Tipo prioritário de uso:
mesa
Características Biológicas: Vigor: alto.
Características Morfológicas: Cacho: Grande, cônico piramidal, raramente alado; bem-cheia. Baga: Media (média de 1,8 grama); elipsóide; coloração verde-amarelada claro; polpa carnuda; textura firme e sucosa; pequenos traços de sementes (menos de 1 mm de largura); sabor neutro. Folhas. Grande, verde médio, lustroso na parte superior; arredondado, tendendo a ter três lóbulos; glabro em ambos os lados em forma de lira; seio peciolar com sobreposição bordas; porte dentes convexa e média. Brotações. Longas; entrenós médios a longos; coloração verde claro a amarelado quando herbáceas e castanho claro ao castanho quando lignificado.
Resistência à pragas e doenças: ao Míldio: muito baixa; à Phomosis: muito baixa; ao Oídio: moderada; à Esca: moderada; à Doença de Pierce: moderada.
Região de adaptação: PE, BA, AL, MG
Outras informações: Adapta-se a uma grande variedade de solos, porém é sensível ao frio. Suscetível ao rompimento da baga. Produzem cachos longos com pequenas bagas mesmo sem a aplicação de ácido giberélico.

Ano de lançamento da tecnologia: 2015

Mais informações e onde comprar (viveiristas licenciados): Processo de Limpeza em Cultivares de Copa de Domínio Público para Obtenção de Qualidade Fitossanitária Superior