Pular para o conteúdo

Indicações Geográficas de Vinhos do Brasil

Mapa Indicações Geográficas de Vinhos do Brasil - Registradas e em estruturação O reconhecimento de Indicações Geográficas (IG) de vinhos brasileiros estabeleceu um novo capítulo da vitivinicultura nacional, valorizando produtos tradicionais de determinados territórios, possibilitando a proteção da região produtora e garantindo aos consumidores vinhos diferenciados, atendendo requisitos específicos de produção de cada IG.

As Indicações Geográficas identificam vinhos originários de uma área geográfica delimitada quando determinada qualidade, reputação ou outra característica são essencialmente atribuídas a essa origem geográfica. No Brasil, existem duas modalidades de Indicações Geográficas: a Indicação de Procedência (IP) e a Denominação de Origem (DO). A IP se aplica às regiões que se tornaram reconhecidas na produção de vinhos. Já na DO, os vinhos apresentam qualidades ou características que se devem essencialmente ao meio geográfico, incluídos os fatores naturais e os fatores humanos.

A Indicação Geográfica traz como benefícios a organização coletiva dos produtores, o estímulo à economia local e a ampliação do renome dos produtos da região, com impactos na competitividade, bem como no aumento do potencial para a atividade do enoturismo. Cada IG está vinculada a uma associação de produtores que atua na gestão da mesma, incluindo o controle, a proteção e a sua promoção.

No início dos anos 1990, a Embrapa Uva e Vinho foi pioneira no Brasil ao disseminar, estimular e dar o suporte técnico e científico aos produtores de vinhos na estruturação, bem como na conquista do registro de Indicação Geográfica, que é chancelada pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), com base na Lei da Propriedade Industrial brasileira e outras normativas legais.

IG de Vinhos Registradas e Associações de Produtores

O Brasil possui diversas Indicações Geográficas de vinhos registradas no INPI, as quais estção localizadas nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Indicações Geográficas de vinhos do Brasil

IG de Vinhos em Estruturação e Associações de Produtores

Atualmente estão em execução projetos de PD&I para a estruturação das seguintes IG: Campanha Gaúcha, Vale do São Francisco, Altos de Pinto Bandeira, Serra Catarinense.

Indicações Geográficas de vinhos em estruturação no Brasil

+Algumas Instituições de Apoio às Indicações Geográficas de Vinhos

+Pesquisadores coordenadores de áreas temáticas em projetos de PD&I de IG de vinhos do RS

  • Carlos Alberto Flores - Pesquisador aposentado da Embrapa Clima Temperado (solos: gênese, morfologia, classificação, mapeamento e potencial edáfico vinícola).

  • Celito Crivellaro Guerra - Embrapa Uva e Vinho (enologia: caracterização físico-química dos vinhos, tecnologia enológica)

  • Gildo Almeida da Silva - Embrapa Uva e Vinho (microbiologia enológica e seleção de leveduras autóctones para IG de vinhos)

  • Heinrich Hasenack - Instituto de Biociências da UFRGS (geoprocessamento, sensoriamento remoto, SIG, cartografia de solos, bases de dados do meio geográfico)

  • Ivanira Falcade - Universidade de Caxias do Sul (geografia, delimitação de área de IG, caracterização do renome da IG, paisagem vitícola, enoturismo)

  • Jorge Tonietto - Embrapa Uva e Vinho (zoneamento vitivinícola, clima, delimitação de área de IG, regulamento de uso e plano de controle de IG, gestão dos projetos de IG)

  • Loiva M. Ribeiro de Mello - Embrapa Uva e Vinho (cadastro vitícola georreferenciado, caracterização sócio-econômica de IG)

  • Mauro Celso Zanus - Embrapa Uva e Vinho (enologia: análise e caracterização sensorial)

  • Rosemary Hoff - Embrapa Uva e Vinho (geologia, geoprocessamento, sensoriamento remoto, SIG, bases de dados do meio geográfico)