Pular para o conteúdo
PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO UVAS DO BRASIL
 

Apoio institucional e financeiro ao Programa de Melhoramento Genético Uvas do Brasil

Projetos

Financiados pelos programas de gestão de pesquisa da Embrapa

Plano Nacional de Pesquisa (1980-1992)

1. Projeto: Criação de cultivares de videira para a elaboração de vinho e suco, PNP-Vitivinicultura.
Resultados: Este projeto estabeleceu as bases do Programa de Melhoramento da Videira. Deu seguimento a ações que venham sendo realizadas na EEBG e na EEVE, havendo uma forte interação com o pesquisador Moacir dias Falcão.  No período, foi registrada a realização de 210 combinações de hibridações, com o objetivo de desenvolver uvas para elaboração de vinho ou suco. Foram produzidas 85.000 sementes, das quais 25.500 germinaram, resultando em 7.700 plantas que foram avaliadas em condições de clima temperado, nos campos de híbridos da sede da Embrapa Uva e Vinho, em Bento Gonçalves. Destas, 273 foram selecionadas para avaliação posterior em campos de seleções e 31 foram avaliadas em campos de validação, juntamente com vitivinicultores. Cento e treze foram incorporadas ao BAG-Uva para enriquecimento. Embora alguns genótipos que seriam lançados como novas variedades já estivessem sendo avaliados, não foram lançadas novas cultivares de videira neste período.

2. Projeto: Avaliação e seleção de cultivares de videira para o Rio Grande do Sul, PNP-Vitivinicultura.
Resultados: Foram avaliadas, com respeito a caracteres agronômicos, reação a doenças e qualidade do mosto, 35 cultivares de videira em Caxias do Sul, em delineamento experimental, e 18 cultivares, na forma de validação, nos municípios de Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Farroupilha, Flores da Cunha e Garibaldi. Estes experimentos permitiram a recomendação das cultivares Flora e Tannat para cultivo na região visando a elaboração de vinhos, branco e tinto, respectivamente. Com relação aos porta-enxertos, por meio da avaliação do rendimento em estacas de 10 cultivares, foi possível classifica-las quanto ao vigor. Além disso, Paulsen 1103 foi recomendado como porta-enxerto resistente à fusariose.

3. Projeto: Conservação e Enriquecimento da coleção ativa de germoplasma da uva, PNP-Recursos Genéticos.
Resultados: O trabalho contínuo de manutenção e enriquecimento de germplasma resultou em uma coleção que à época mantinha o registro de 1.108 acessos, assim classificados: Vitis vinifera, 559 acessos; V. labrusca, 33; V. bourquina, 8; V. rotundifolia, 15; híbridos interespecíficos, 378; porta-enxertos, 97; espécies silvestres de Vitis, 16; espécies afins (Família Vitaceae), 2.

4. Projeto: Caracterização e avaliação de germoplasma de uva, PNP-Recursos Genéticos.
Resultados: No período foram avaliados 671 acessos com respeito à caracterização de descritores ampelográficos e da avaliação de caracteres agronômicos, da reação a doenças e da qualidade do mosto. Em se tratando da coleção de germoplasma que sempre é enriquecida com novas introduções, a caracterização e avaliação também constituem um trabalho contínuo. Visando oferecer suporte ao trabalho de caracterização, foi desenvolvido e mantido um herbário, com folhas herborizadas dos acessos do BAG-Uva. Este material é um documento fiel das características ampelográficas de uma cultivar, sendo utilizado como um padrão para o trabalho de identificação ampelográfica. No período, foram mantidas 1.176 exsicatas no herbário Vitaceae.

Sistema Embrapa de Planejamento - SEP (1993-2001)

1. Projeto: Banco Ativo de Germoplasma, Programa Recursos Genéticos: conservação e multiplicação de material básico.

Subprojeto: Banco Ativo de Germoplasma de Uva.
Resultados: Foi dada continuidade ao trabalho de enriquecimento, manutenção, caracterização e avaliação do germoplasma mantido no BAG-Uva, com 25 descritores, relacionados ao cacho, baga, e tipo de flor, à fenologia, produção, qualidade do mosto e incidência de doenças fúngicas. Em 1998, constavam do BAG 1353 acesso, sendo 878 com avaliação concluída e 402 em avaliação; outros 132 acessos aguardavam avaliação.

2. Projeto: Aumento da qualidade e ampliação do período de oferta da uva comum para processamento, Programa Sistema de Produção de Frutas e Hortaliças.

Subprojeto: Seleção clonal e sanitária de cultivares destinadas à elaboração de suco de uva.
Resultados: Neste período, foram prospectadas possíveis mutações somáticas de cultivares tradicionalmente usadas na elaboração de sucos, por meio de consulta aos técnicos de associações e da extensão rural e de vistas a vinhedos comerciais localizados na Serra Gaúcha. Este trabalho resultou nos lançamentos das cultivares Concord Clone 30, com maturação 15 dias antecipada em relação à Concord original, em 2000, e de Isabel Precoce, com maturação 30 dias antecipada em relação à Isabel original, em 2003.

Subprojeto: Cultivares para elaboração de Suco de uva.
Resultados: Foi lançada, em parceria com a EEVE, a cultivar de uvas para elaboração de suco, BRS Rúbea, caracterizando-se alto teor de matéria corante e sabor aframboesado, sendo recomendada para aprimoramento da coloração dos sucos elaborados com cultivares tradicionais, como Isabel e Concord. Em 2004 e 2006, como decorrência do trabalho realizado neste subprojeto, foram lançadas as cultivares BRS Cora e BRS Violeta. A BRS Cora é adaptada a climas tropicais, com alta produtividade e ciclo médio, um pouco antecipado em relação à Isabel, mosto intensamente colorido, com alto teor de açúcares e acidez baixa, podendo ser usada para melhoria da cor de sucos elaborados com cultivares tradicionais. A BRS Violeta apresenta alta fertilidade e elevada capacidade produtiva, e mosto com alto conteúdo de açúcares e baixa acidez.  O destaque é a cor violácea da polpa, que resulta em mosto intensamente colorido. Recomendada para corte em sucos elaborados com cultivares tradicionais.

Subprojeto: Criação de cultivares de videira para a elaboração de vinho.
Resultados: Foram lançadas as cultivares Moscato Embrapa, com alta resistência à podridão de cachos, alta produtividade e alto teor de açúcar para elaboração de vinho branco seco; BRS Lorena, que se caracteriza por alto potencial produtivo, boa resistência às doenças e mosto equilibrado, com qualidade para elaboração de vinhos aromáticos, especialmente espumantes.

3. Projeto: Tecnologia para a cultura de uvas de mesa, Programa Sistema de Produção de Frutas e Hortaliças.

Subprojeto: Cultivares para ampliação de oferta de uvas americanas de mesa.
Resultados: Foram lançadas duas cultivares tardias de uva de mesa do tipo americano em parceria com a EEVE, Dona Zilá e Tardia de Caxias. A cultivar de uva de mesa precoce sem sementes e do tipo americano, Vênus, desenvolvida pela Universidade do Arkansas, EUA, foi introduzida, testada e recomendada para a região sul do país. O período de oferta de uvas de mesa do tipo americano no sul do país, aumentou de três para cinco meses, com o lançamento destas cultivares.

Subprojeto: Cultivares apirências para a viticultura brasileira.
Resultados: Este subprojeto também foi apoiado por recursos externos; veja os resultados no item Outras fontes de recursos.

Subprojeto: Obtenção e seleção de cultivares de videira para viticultura da região noroeste de São Paulo.
Resultados: Este subprojeto também foi apoiado por recursos externos; veja os resultados no item Outras fontes de recursos.

Subprojeto: Avaliação e seleção de cultivares de uvas sem sementes para a região do submédio são Francisco.
Resultados: Este subprojeto também foi apoiado por recursos externos; veja os resultados no item Outras fontes de recursos.

Sistema Embrapa de Gestão - SEG (2002-2018)

1. Projeto: Desenvolvimento de novas cultivares para a competitividade e sustentabilidade da vitivinicultura brasileira, Macroprograma 2, período 2006 a 2010.
Resultados: Foram realizadas 168 cominações de hibridações visando o desenvolvimento de uvas de mesa e de processamento e avaliados 8000 híbridos, além de 400 seleções avançadas, para as características de interesse do programa. Foram lançadas três cultivares, uma para elaboração de vinho (‘BRS Margot’) e duas para elaboração de suco (‘BRS Violeta’ e ‘BRS Carmem’).

2. Projeto: Bancos Ativos de Germoplasma de Espécies Frutíferas; Plano de ação: Banco Ativo de Germoplasma de Uva, Macroprograma 1, período 2006 a 2016.
Resultados: As atividades relacionadas à conservação, enriquecimento, caracterização e documentação foram plenamente cumpridas, inclusive a documentação dos acessos no Alelo. Os dados de passaporte do BAG-Uva (Embrapa Uva e Vinho) foram inseridos no Sistema Corporativo Alelo. De maneira geral, foram obtidos avanços em todas as linhas de trabalho, com destaque para a caracterização e uso dos recursos genéticos (foco em novos usos) que tem subsidiado ações de pré-melhoramento e desenvolvimento de produtos tecnológicos em vários BAGs, inclusive o de uva.

2. Projeto: Indução in vitro de poliploidia em cultivares apirênicas de videira visando ao aumento do tamanho de bagas.
Resultados: Foram disponibilizadas, para avaliação do Programa de Melhoramento Genético da videira, 10 linhagens poliploides de ‘BRS Clara’ e sete de ‘Crimson Seedless’. Além das atividades propostas, foi desenvolvida uma metodologia de poliploidização empregando ápices caulinares, foi analisada a eficácia de análises morfológicas de estruturas de epiderme foliar na determinação do nível de ploidia em videira e estão sendo realizadas análises moleculares para a caracterização das linhagenes poliplóides. O estabelecimento da metodologia permite a duplicação dos genomas de outros materiais de interesse do programa de melhoramento genético da videira. As atividades extraodinárias foram realizadas durante o período regular do projeto e sem a necessidade de recursos adicionais.

3. Projeto: Uvas-passas Brasileiras: Matéria-prima e Processamento, Macroprograma 3, período 2010 a 2012.
Resultados: Foi projetado e construído um sistema de secagem, com possibilidade de controle eletrônico dos parâmetros de secagem (temperatura e velocidade do ar de secagem), sendo usado para a realização de testes visando o estabelecimento dos parâmetros operacionais, como a temperatura de secagem na faixa de 50 a 70°C e a velocidade do ar entre 0,5 a 1.5 m/s. Dentre as cultivares e seleções de uva de mesa brasileiras testadas para elaboração de passas, a BRS Clara pode ser recomendada para esta finalidade.

4. Projeto: Desenvolvimento de novas cultivares para a competitividade e sustentabilidade da vitivinicultura brasileira – fase II, Macroprograma 2, período 2010 a 2014.
Resultados: Como principais resultados, podem ser destacados o lançamento de duas cultivares de uva de mesa resistentes ao míldio (‘BRS Vitória’ e ‘BRS Isis’) e de uma cultivar de uva de mesa com tamanho de baga grande e coloração adequada e de fácil manejo (‘BRS Núbia’), que reverterão na diminuição do impacto ambiental e na melhoria da saúde do trabalhador rural e dos consumidores, como resultado do menor uso de agroquímicos na produção da uva  (fungicidas e produtos para melhoria da qualidade da baga).  O lançamento de uma cultivar de uva para elaboração de suco, a BRS Magna, de fácil manejo, e com qualidade adequada (alto conteúdo de açúcares e de matéria corante, além de sabor agradável) também reverte em benefícios para o viticultor, para a agroindústria e para o consumidor.

5. Arranjo: Uvas do Brasil – Programa de Melhoramento Genético, SEG, período 2013 a 2018.
Resutados: em andamento.

6. Projeto: Indução de poliploidia in vitro em porta enxertos de videira visando à redução do crescimento da copa.
Resutados: em andamento.

7. Projeto: Identificação de patógenos virais em videiras provenientes de bancos ativos de germoplasma e coleções utilizando sequenciamento de última geração, diagnóstico viral e limpeza clonal, Macroprograma 2, período 2014-2017.
Resultados: em andamento.

8. Projeto: Desenvolvimento de novas cultivares para a competitividade e sustentabilidade da vitivinicultura brasileira – fase III, Macroprograma 2, período 2014 a 2018.
Resultados: em andamento.

9. Projeto: Valorização de recursos genéticos de uva (Vitis spp) visando atender novas demandas resultantes da expansão da viticultura brasileira e da modernização do consumidor, Macroprograma 2, período 2014 a 2018.
Resultados: em andamento.

10. Projeto: PC7. Bancos de Germoplasma de Fruteiras Exóticas, Macroprograma 1, período: 2016 a 2020.
Resultados: em andamento.

11. Projeto: Validação de descritores para caracterização e estabelecimento de cultivares exemplo visando a complementação na ficha de descritores preconizada pelo SNPC-MAPA para proteção de cultivares de videira no Brasil.
Resultados: em andamento.

Outras fontes de recursos

1. Projeto: “Apoio ao desenvolvimento tecnológico da produção de uvas na Região Noroeste de São Paulo” desenvolvido em parceria com a Sociedade para o progresso da pesquisa e o desenvolvimento da fruticultura no Noroeste Paulista-PROFRUTI, com apoio financeiro do Denacoop, período1994 e 1995.
Resultados: Este projeto marcou o início da pesquisa em viticultura tropical na Embrapa Uva e Vinho, com a implantação de uma coleção de uvas labruscas para mesa e para suco e de uvas sem sementes na recém-criada Estação de Viticultura Tropical de Jales. O trabalho gerou informações que se tornaram a base para posterior definição dos sistemas de produção para cultivo em regiões tropicais da Niágara Rosada, como uva de mesa, da Isabel e da Isabel Precoce, como uvas para suco. Também foram geradas as informações básicas sobre o manejo para aumentar a fertilidade de uvas sem sementes em regiões tropicais.

2.Projeto: “Desenvolvimento de cultivares de videira para a Região Noroeste de São Paulo” desenvolvido em parceria com a Cooperativa Agrícola Mista dos Produtores Rurais da Região de Jales-Cooperativa Jales, com apoio financeiro do CNPq/Bioex (Processo Institucional 680119/96-5), período 1996 a 1999.
Resultados: Neste projeto foram complementados os estudos mencionados no item acima, com a definição dos sistemas de produção para a Niágara Rosada, Isabel e Isabel Precoce em condições tropicais. Na prática, foi iniciado o cultivo comercial da Niágara Rosada na região de Jales e logo em seguida na região de Pirapora, tornando a oferta desta uva permanente no mercado, sendo que até então, estava restrita aos meses de dezembro a março, pois seu cultivo era restrito às regiões temperadas. Em relação à Isabel e Isabel Precoce, verificou-se sua imediata expansão comercial no Mato Grosso, depois na região de Jales e recentemente no Vale do São Francisco, dando origem a novos pólos de produção de uvas para suco. No âmbito deste projeto definiu-se e ajustou-se o protocolo de resgate e cultivo de embriões in vitro, técnica fundamental para o desenvolvimento de novas cultivares de uvas sem sementes. No período do projeto foram realizados os cruzamentos que deram origem às três primeiras cultivares de uvas sem sementes lançadas pela Embrapa, em 2003, para cultivo em climas tropicais.

3. Projeto: “Produção e melhoramento das uvas sem sementes no Vale do Sub-Médio São Francisco” desenvolvido em parceria com a Valexport/BGMB, com apoio financeiro do Sebrae, período 1994 a 1997.
Resultados: Foi definido o manejo para aumento da fertilidade de cultivares de uvas sem sementes na região, tornando viável seu cultivo comercial no Vale do Sub-Médio São Francisco, não praticado até então devido à baixíssima produtividade. O cultivo de uvas sem sementes na região marcou a retomada de crescimento das exportações de uva in natura pelo Brasil. No âmbito deste projeto também foram realizados cruzamentos visando a criação de novas cultivares de uvas sem sementes para a região.

4. Projeto: “Desenvolvimento e seleção de cultivares de uvas apirênicas para a Região do Sub-Médio São Francisco” desenvolvido em parceria com a Valexport/BGMB, com apoio financeiro do programa PADFIN/CNPq, período 1999 a 2001.
Resultados: Foram realizados mais de 200 cruzamentos visando a criação de novas cultivares de uvas sem sementes e foram avaliadas as populações geradas no âmbito dos projetos anteriormente referidos. Foram avaliados mais de 10.000 seedlings, gerando 70 seleções de uvas sem sementes. Foram implantados os primeiros ensaios de validação, com oito seleções avançadas de uvas sem sementes, em parceria com produtores da região do Vale do Sub-Médio São Francisco.

5. Projeto: “Validação e transferência de tecnologia para a produção de uvas apirênicas na região de Pirapora-MG” desenvolvido em parceria com a Cooperativa Agrícola Pirapora-CAP, com apoio financeiro do MAPA/PROFRUTA/CNPq (Processo 480161/00), período 2001 a 2003.
Resultados: Foi definido o manejo para a produção comercial das tradicionais cultivares de uvas sem sementes (Festival, Thompson, Crimson) foram implantadas três unidades de validação das seleções avançadas de uvas sem sementes da Embrapa Uva e Vinho. Os resultados deste projeto foram decisivos para o lançamento e recomendação das novas cultivares de uvas sem sementes para a região.

6. Projeto: “Criação de cultivares de uvas sem sementes para a viticultura brasileira de mesa” desenvolvido em parceria com a Valexport / BGMB e Cooperativa Jales, com apoio financeiro do MAPA/PROFRUTA/CNPq (Processo 480397/01-5), período 1998 a 2001.
Resultados: Os resultados deste projeto foram de grande significado para o melhoramento genético da videira no Brasil e para a viticultura brasileira. Foram realizados mais de 300 cruzamentos, obtendo-se dezenas de milhares de híbridos, ampliando-se a base genética do programa de melhoramento com o desenvolvimento de centenas de seleções de uvas sem sementes com grande diversidade de características de interesse, como sabor, forma, cor, textura e resistência a doenças. Ensaios de validação com oito seleções avançadas de uvas sem sementes foram implantados e acompanhados nos pólos de Jales e Marialva, em complemento aos anteriormente implantados em Petrolina e Pirapora. Três novas cultivares de uvas sem sementes, BRS Morena, BRS Linda e BRS Clara foram lançadas e recomendadas para as principais regiões produtoras de uvas de mesa do Brasil. O acompanhamento das unidades de validação e o contato permanente com os viticultores dos diferentes pólos levaram à identificação de suas demandas específicas, fato relevante para melhor orientar os trabalhos de melhoramento. Foi no âmbito deste projeto que se estruturou o Laboratório de Genética Molecular da Embrapa Uva e Vinho.

7. Projeto: “Validação de novas seleções de uvas apirênicas para cultivo irrigado no Estado do Ceará” desenvolvido em parceria com a União dos Agronegócios no Vale do Jaguaribe-Univale e Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Agronegócio Brasileiro-Fagro, com apoio financeiro da FINEP, período 2003 a 2005.
Resultados: O projeto resultou na difusão de tecnologia para a produção de uvas sem sementes, uma alternativa importante para a fruticultura irrigada do Ceará, atualmente com raras opções além da banana. Em dois anos e meio de trabalho foram avaliadas cinco seleções e três cultivares de uvas sem sementes, chegando à recomendação de uma cultivar como preferencial para a região, a BRS Clara. O sistema de produção ficou definido.

8. Projeto: “Ajustes do sistema de exploração de videiras sem sementes para os perímetros irrigados implantados pela Codevasf” em parceria com a Codevasf e Fagro, com apoio financeiro da Codevasf, ano de 2005.
Resultados: Feita a prospecção, foram implantados quatro campos demonstrativos sobre o cultivo das três novas cultivares de uvas sem sementes da Embrapa, em quatro perímetros de irrigação no Estado da Bahia (Barreiras Norte, Mirorós, Formoso, Estreito).

9. Projeto: Desenvolvimento de Novas Cultivares de Uva para a Competitividade e Sustentabilidade da Vitivinicultura Brasileira, Projeto Embrapa Uva e Vinho/CNPq, Processo 402087/2008-9, Edital MCT/CNPq/CT-Agro nº 29/2008 - Programas de Melhoramento Genético Convencional de Plantas, período: 2008 a 2010.
Resultados: No período abrangido pelo projeto, foram realizadas 192 combinações de hibridações, avaliados 6.500 híbridos copa, 1230 para porta-enxerto e cerca de 600 seleções intermediárias; foram desenvolvidos 27 protótipos de cultivares copa para teste (seleções avançadas), sendo que 15 estavam em validação em áreas de produtores de sete estados brasileiros. Estes resultados apoiaram o lançamento de lançamento de quatro novas cultivares copa nos anos seguintes.

10. Projeto: Validação de descritores para caracterização e estabelecimento de cultivares exemplo para complementação das INSTRUÇÕES OFICIAIS PARA REALIZAÇÃO DE TESTES DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DAS ESPÉCIES DO GÊNERO Vitis., Cooperação MAPA/Embrapa Uva e Vinho, no período 2012 a 2014.
Resultados: Os descritores preconizados pelo SNPC/MAPA foram usados para descrever cinco cultivares populares de videira no Brasil, validando seu uso e disponibilizando a informação para inclusão no formulário de descrição como cultivares exemplo.

11. Projeto: ‘Moscato Branco’: caracterização de variedade de uva com produção comercial restrita ao Brasil visando à valorização da Indicação Geográfica dos vinhos da região de Farroupilha, Cooperação MAPA/Embrapa Uva e Vinho/AFAVIN, no período 2012 a 2014.
Resultados: Este projeto possibilitou a caracterização ampelográfica da cultivar Moscato Branco de maneira a reforçar as evidências de sua exclusividade na Serra Gaúcha. Ficou também confirmado que a ‘Moscato Branco’, produzida na região corresponde a um só genótipo. Com o uso de marcadores moleculares do tipo SSR, foi estabelecida a exclusividade da cultivar ‘Moscato Branco’ em relação a todo o Banco Ativo de Germoplasma de uva mantido no Brasil e à coleção francesa de germoplasma de videira. Foi possível avançar na avaliação da fenologia, avaliação agronômica e da qualidade da uva de onze clones putativos da cultivar, coletados em Farroupilha, além das avaliações e enológica e sensorialdos vinhos elaborados com estes genótipos. Outros 15 clones foram coletados, cuja avaliação deve ser iniciada em 2018. Está sendo realizada a cultura de meristemas destes materiais, com o objetivo de produzir material propagativo da cultivar, com qualidade superior.

12. Projeto: AGROVERDE: Banco Ativo de Germoplasma de Uva - BAG-Uva: gerando informações para a pesquisa e para o setor vitivinícola brasileiro, Cooperação Embrapa – Secretaria de Relações Internacionais, Cooperação Embrapa/Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), período 2010 a 2012
Resultados: Metas Técnicas: Foram conservados 1200 acessos do Banco Ativo de Germoplasma, a campo e in vitro, e introduzidos 200. A partir do material introduzido in vitro, foram produzidas mudas que estão sendo conservadas em casa de vegetação e constituem uma triplicata da coleção. Trezentos acessos foram caracterizados nas safras 2009/2010 e 2010/2011 para características do cacho e da baga. Uma amostra de 200 acessos foi enxertada na EEVT; as primeiras avaliações fenológicas e agronômicas foram realizadas. As metodologias para analises de conteúdo de compostos relacionados à saúde de películas e polpa de uva foram otimizadas e 50 acessos foram caracterizados. Foram selecionados 30 marcadores SSR para análise de 400 acessos do Banco de Germoplasma. Foram realizadas duas consultorias ao BAG-Uva, por especialistas, um francês, Jean-Michel Boursiquot (Instituto Francês da Uva e do Vinho e INRA), e outro alemão, Rudolf Eibach (Instituto Julius Kuehn). Foi realizado o Workshop ”Manejo e Uso de Recursos Genéticos de Uva”, em 12/2011, no Auditório da Embrapa Uva e Vinho. Metas Físicas: Foram instalados dois parreirais, um sob cobertura plástica para avaliação de uvas para mesa e outro para avaliação de clones putativos da cultivar Moscato Branco. Os Laboratórios de apoio à conservação e caracterização do BAG-Uva na Sede, em Bento Gonçalves, (escritório para atividades de documentação, laboratórios, Câmara fria para armazenagem em longo prazo e instalações do herbário na Sede - BG, RS) e na EVT, em Jales-SP, (espaços para recepção de amostras, conservação e caracterização) foram finalizados, assim como a construção de uma casa de vegetação na EEVT-Jales e outra na Sede.