BIOMAS: PANTANAL

Imagem do mapa bioma $row->taxonomy_term_data_name

O Pantanal é a maior planície sedimentar inundável do planeta. Possui grande biodiversidade de recursos genéticos, animais e vegetais, ecossistemas e unidades de paisagem. Localiza-se na Bacia do Alto Paraguai, no Centro-Oeste brasileiro, a Leste da Bolívia e a Nordeste do Paraguai, cuja feição presente foi formada nos últimos 12 a 13 mil anos. A Bacia do Alto Paraguai possui área aproximada de 496.000 km², dos quais, 361.666 km² estão no Brasil, nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O Pantanal, enquanto planície, possui área de 138.183 km², e a compreensão adequada de sua ecologia e manejo inclui os planaltos circundantes que drenam suas águas para o rio Paraguai, coletor principal do sistema. A altimetria varia entre 80 e 150 m na planície, para mais de 250 m nos planaltos, com alguns picos isolados de mais de 1.000 m, a sudeste do Município de Corumbá, MS. A declividade do terreno é muito baixa, de 3 a 15 cm no sentido norte-sul e de 30 a 50 cm por quilômetro no sentido leste-oeste. Dessa forma, os rios são meândricos, com muitos braços mortos abandonados e seis grandes lagos conectados ao rio Paraguai, pela sua margem direita (Uberaba, Gaíva, Mandioré, Vermelha, Castelo e Cáceres). O rio Paraguai é o principal canal de drenagem desse sistema, com cerca de 2.800 km de extensão, desde sua nascente em Mato Grosso, Brasil, até Corrientes na Argentina, onde se junta ao rio Paraná. Está situado na interface de três grandes biomas sul-americanos, inclui características da floresta amazônica, do Cerrado brasileiro e da vegetação chaquenha do Paraguai e da Bolívia. No Pantanal, podem ser identificadas pelo menos dez sub-regiões, definidas em razão do tipo de solo, altura e tempo de permanência da inundação. As chuvas anuais na bacia variam de 1.100 a 1.500 mm, 80% das quais caem de novembro a março. Quando as chuvas iniciam em novembro, essa vasta planície é inundada lentamente de norte para o sul e de leste para oeste, que, em grandes enchentes, parece transformar toda a área num imenso mar de água doce, com manchas dispersas não inundadas, as cordilheiras. As inundações, dependendo das condições locais, podem durar de três a nove meses. Os níveis máximos de água na parte norte ocorrem durante janeiro e fevereiro, e de maio a junho, na sua porção sul. A densidade populacional humana no Pantanal é baixa, e está concentrada nas fazendas. Geralmente, cada fazenda possui três a quatro famílias que cuidam das atividades de cria de gado de corte. A maior parte da população da bacia do Alto Paraguai, vive nos planaltos circundantes. A pecuária de corte é a principal atividade econômica do Pantanal, praticada há cerca de 200 anos. São aproximadamente 4.000 estabelecimentos que, na sua maioria, realizam criação extensiva (1 animal por 3 ha) em pasto nativo. Essa pecuária caracteriza-se por baixos índices zootécnicos. Estima-se que a área desmatada para implantação de pastagens introduzidas seja de ordem de 5% na planície pantaneira. O Pantanal atualmente recebe grande impacto decorrente das atividades agropecuárias praticadas no bioma Cerrado. O rio Taquari, por exemplo, com uma extensão de 787 km, é um dos principais afluentes do Pantanal e, desde a década de 1970, vem sofrendo agressões que resultaram em um desastre ecológico. A região era caracterizada por pulsos de inundação, que alagavam a área entre os meses de outubro e maio, como todo o ecossistema pantaneiro que apresenta características de inundação pluvial.